Bolo de Pêssego e Champanhe (e os 10 anos do Blogue)

Partilha a tua sensação
Quando iniciei o blogue, em 2007, estava longe de imaginar que um dia andaria a partilhar receitas, sabores e texturas internet fora. Se alguém me tivesse dito que, passados 10 anos desde aquele ponto temporal, eu andaria maravilhada a comprar frigideiras antiaderentes, formas específicas para bolos específicos e que a minha selecção de livros sobre jornalismo seria substituída por uma infinita lista de livros de culinária e gastronomia eu não teria acreditado. Na realidade, se alguém me tivesse dito que passados 10 anos eu estaria ainda a desenvolver o Reservatório de Sensações eu teria desconfiado (e muito).




Ao longo destes dez anos tem acontecido tanta coisa de diferente na minha vida. Apercebo-me agora que muitas ocasiões, experiências, pequenos apontamentos estão associadas ao Reservatório de Sensações, ou pelo menos passaram por ele. Lembro-me perfeitamente de que quando lancei o blogue estava no início da relação com o meu agora marido. Trocávamos textos, eu pedia-lhe opinião, namoriscávamos horas seguidas no chat do extinto Messenger. Lembro-me também que no início escondia a minha identidade. Achava que a magia do blogue se iria perder, que poderia perder a minha liberdade criativa. Estava tão enganada. Lembro-me que foi graças aos famosos (pelo menos dentro de um grupo de cerca de 20 pessoas, são super famosos) Biscoitos de Mel que comecei a revelar a Ana que gosta de comer, a Ana que gosta de sentar quem ama à mesa, a Ana que respira verde e que sonha em ter uma quinta grande com galinhas, cães, gatos e muitos legumes. Lembro-me que foi graças ao Reservatório de Sensações que participei em feirinhas, em chás de amigas e comecei a fazer parte de despedidas de solteiras.


 Há tanto para dizer e tantas palavras que falham. O que é curioso tendo em conta que trabalho na área da comunicação, sempre a “falar” pelos meus clientes e pelos seus produtos. Defeito de profissão, mas também porque prefiro sentir este meu cantinho, partilhar convosco as maravilhas da vida, os sabores e os cheiros que invadem todos os dias a minha singela existência. É bom sentir que o que começou por ser um depositário de textos e de estados de alma, se transformou num espaço virtual muito simples, que já tocou algumas vidas, que já fez parte de momentos importantes e que acima de tudo continua a ser um fiel reservatório das mais diversas sensações.






Custa-me pensar nos próximos dez anos. A vida manda muito mais que nós todos juntos. Tenho aprendido isso nos últimos anos. Possivelmente por isso, decidi no início deste ano refrear expectativas e assumir que o importante é viver um dia de cada vez. Quem sabe daqui a um ano farto-me de panelas e panelinhas? Dúvido, mas nunca se sabe. O que eu sei é que nos tempos próximos vão ter de levar com mais receitas, mais gordices boas, mais imagens do meu novo campo e de tudo o que ando a descobrir nele. Espero que isso seja motivo para ficarem desse lado. E como não podia ser de outra forma, termino este post com um brinde, porém neste caso em formato de bolo. Tchim, Tchim e parabéns ao Reservatório de Sensações.







Bolo de Pêssego e Champanhe

Ingredientes para o bolo
300g de pêssegos
200ml de champanhe
4 ovos
400g de farinha
4 colheres de sopa de farinha de aveia
175g de açúcar
2 colheres de sopa de geleia de coco
100ml de azeite
2 colheres de sobremesa de fermento em pó
Raspa de 1 limão

Ingredientes para a cobertura
150 ml de champanhe
2 colheres de sopa de açúcar branco
Açúcar em pó

Numa tigela colocamos os pêssegos devidamente descascados, descaroçados e partidos aos pedaços. Regamos com os 200ml de champanhe. Reservamos durante meia hora. Trituramos num processador de comida e reservamos. Batemos os ovos com o açúcar até obtermos uma mistura fofa e leve. Adicionamos o pêssego triturado, a raspa do limão, o azeite e a geleia de coco. Juntamos as duas farinhas devidamente peneiradas e o fermento em pó. Mexemos até incorporarmos bem todos os ingredientes. Levamos ao forno, pré-aquecido a 160ºC, em forma untada durante cerca de 40 minutos ou até estar dourado e firme ao toque. Retiramos do forno e deixamos arrefecer dentro da forma. Enquanto o bolo arrefece deitamos numa pequena caçarola 150ml de champanhe e duas colheres de açúcar branca. Levamos a lume brando e deixamos ferver sem queimar. Retiramos do lume. Desenformamos o bolo e pincelamos com o xarope de vinho espumante. Antes de servirmos o bolo polvilhamos com açúcar em pó.


Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

0 A partilhar sensações: